Projeto “Entre(in)vista” junta empresas e desempregados em Cascais

7 de Junho de 2019
Rosaria Silva

A iniciativa, promovida pelo GEMTE, o Grupo de Empregabilidade Territorial criado no âmbito da Rede Social em 2014, visa colmatar as necessidades de recrutamento das empresas e ajudar um conjunto de munícipes cascalenses, em situação de desemprego, a regressar ao mercado de trabalho.

Cerca de 20 empresas aderiram já à iniciativa que contou em 2017, na sua primeira edição, com 110 entrevistas a candidatos a emprego. Em 2018, este número subiu para 534 entrevistados, que, após uma breve conversa de cerca de 5 minutos com a equipa do projeto, foram depois contactados para nova entrevista ou nova fase de seleção.

Paula Correia, técnica da Divisão de Intervenção Social da CMC, destaca o carater inovador do projeto que “consegue juntar no mesmo espaço físico empresas de diversos setores e vários candidatos às vagas de emprego” criando, desta forma, a possibilidade de uma interação direta entre todos.

Estes encontros realizam-se 2 a 3 vezes por ano. Os próximos “Entre(in)vista” terão lugar no dia 13 de setembro na ExpoCascais, no Centro de Congressos e em outubro, em data ainda a definir, na Feira Anual de Emprego na ABLA – Associação de Beneficência Luso-Alemã.

A área das Competências para a Empregabilidade, Soft Skills, é outra grande aposta do Grupo de Empregabilidade Territorial. Desde 2016 que têm sido desenvolvidas múltiplas ações de formação neste domínio, que procuram dar resposta às necessidades sentidas pelas equipas dos territórios da CMC.

De acordo com Sara Campos esta resposta, assente numa metodologia não formal, permite chegar a públicos indiferenciados com dificuldades de integração no mercado de trabalho, “tais como desempregados de longa duração, pessoas sem habilitações literárias e profissionais, em situações irregulares ou com dificuldades na língua portuguesa”.

A “correção de falhas graves numa entrevista de emprego”, o “aumento da confiança” ou a “aquisição de novos conhecimentos úteis”, são alguns dos aspetos destacados pelos mais de 120 participantes que aderiram à iniciativa em 2018.

Estes são dois exemplos do trabalho do Grupo de Empregabilidade Territorial que, no seguimento das necessidades sentidas por diferentes parceiros na área do emprego, intervém atualmente no concelho, promovendo a empregabilidade e a qualificação dos munícipes, através da aproximação da oferta formativa às necessidades do mercado de trabalho.

Uma missão que continua a ser estratégica para o território, apesar de os dados do Diagnóstico Social de Cascais apontarem para uma diminuição do número de desempregados inscritos no Centro de Emprego. Ainda de acordo com os dados disponíveis, relativos a 2017, os cascalenses em situação de desemprego representam 5,9% da população residente no concelho, com idade entre os 15 anos e os 64 anos.

O GEMTE é constituído por três subgrupos: Formação, Empresas e Empreendedorismo e conta com os seguintes parceiros: ABLA, SEA – Agência de Empreendedores Sociais, Associação Empresarial do Concelho de Cascais, ARESC, Câmara Municipal de Cascais, Centro Comunitário da Paróquia de Carcavelos, Centro Cultural Moldavo, Gabinete de Apoio ao Empresário, Centro Social Paroquial de S. Domingos de Rana, CERCICA, CESPA, Cruz Vermelha Portuguesa, União das Freguesias de Carcavelos/Parede, AJU, IEFP, União das Freguesias de Cascais/Estoril, SER+, TESE, Centro Comunitário da Parede, Clube Gaivotas da Torre, Junta de Freguesia de S. Domingos de Rana e ARIA.